sexta-feira, 6 de agosto de 2010

ADOLESCENTE BALEADO POR POLICIAL RODOVIÁRIO

Inspetor da PRF atirou em adolescente por suspeitar que ele tinha roubado uma toalha de posto policial em Caucaia

Na tarde de ontem, o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Heitor de Paula, alvejou com um tiro o estudante C.A.T.A, 17 anos, nas proximidades do Posto da PRF do Conjunto Metropolitano, em Caucaia. O policial acusa o adolescente de ter furtado uma toalha do Posto Policial. Em depoimento, Heitor de Paula - que é lotado na PRF da BR-116 - afirmou que foi chamado para pegar um material no Posto do Conjunto Metropolitano, quando viu os dois jovens fugindo do local com alguns objetos nas mãos.

O inspetor suspeitou que os menores estavam furtando alguma coisa e pediu que eles parassem. "Um jovem conseguiu fugir, já o outro tentou se esconder perto de uma cerca e acabou fazendo movimentos suspeitos, como se fosse puxar alguma coisa. Foi aí que o policial resolveu atirar", informou o advogado do Sindicato da PRF-CE, Anderson Nunes. A defesa não apresentou a toalha, afirmando que curiosos que estavam no local "devem tê-la levado".

Heitor de Paula ainda disse ter dado apenas um tiro de advertência e que prestou socorro ao menor chamando o SOS Caucaia ao local. "A viatura da PRF acompanhou a ambulância e, em seguida, o policial se apresentou à Delegacia Metropolitana do município", afirmou o advogado de defesa da PRF.

De acordo com o amigo do estudante que estava com ele no local, eles brincavam de baladeira em um terreno baldio ao lado do Posto da PRF quando os três policiais saíram da guarita armados pedindo para que eles parassem. Os garotos assustaram-se e saíram correndo. "Eles deram três tiros e um deles atingiu meu amigo. Eu corri e fui avisar a família", disse o amigo da vítima, também de 17 anos.

Quanto a toalha, os menores afirmaram o único objeto existente no local era "uma flanela rasgada, que estava largada perto de onde ele a vítima caiu".

De acordo com a mãe do adolescente alvejado, Marlene Teixeira de Abreu, o garoto não possui nenhum antecedente criminal. Exame realizado no Hospital Municipal de Caucaia detectou que o projétil entrou do lado direito, atravessou as costas do garoto e ficou alojado do lado esquerdo de suas costas. Conforme o advogado (foto) da família do adolescente, Allyson Carvalho, eles irão entrar com uma ação de reparação e danos materiais e morais contra a União.

Fonte: Diário do Nordeste

Nenhum comentário: